Texto Maior
Texto Maior
Texto Maior
Texto Menor
Texto Menor
Texto Normal
Texto Normal
Contraste
Contraste
Libras
Libras
Vlibras

O conteúdo desse portal pode ser acessível em Libras usando o VLibras

Acesso à informação
Acesso à informação

Boa Esperança do Sul, segunda-feira, 08 de agosto de 2022 Telefone (16) 3326-4020

Atendimento Atendimento: De Segunda a Sexta das 08:00 às 11:00 e das 13:00 às 16:00

Domi
07/08
Parcialmente Nublado
Máx 32 °C
Min 14 °C
Índice UV
7.0
Segu
08/08
Nublado
Máx 26 °C
Min 19 °C
Índice UV
7.0
Terç
09/08
Chuva
Máx 20 °C
Min 18 °C
Índice UV
7.0
Quar
10/08
Chuva
Máx 21 °C
Min 17 °C
Índice UV
7.0

Histórias Mural "Memorias de Boa Esperança" - Quinta-feira, 30 de Junho de 2022

Buscar Notícia

Notícias por Categoria

MURAL MEMORIAS DE BOA ESPERANÇA

Antônia de Paula Franco


MURAL MEMORIAS DE BOA ESPERANÇA

ANTONIA DA COSTA MACHADO DE PAULA FRANCO

Dona Antonia, a saudosa parteira de nossa cidade, exemplo admirável de amor, dedicação e bondade.

Antonia da Costa Machado de Paula Franco era seu nome de registro. Nascida em 23 de junho de 1907, viveu em Uberaba, Minas Gerais até 1947, quando – já casada – se mudou para Boa Esperança do Sul.

Sem dúvida, foi um anjo que aqui chegou, vindo morar no antigo bairro da Vila Seca numa casa de barro com um só cômodo.

Por volta de 1960, iluminada, Dona Antonia começou a fazer partos. Um dom natural que se tornou um ofício sagrado, exercido com extrema seriedade e respeito.

Quando nossa cidade ainda não contava com um médico titular, ela foi providencial na assistência às parturientes. Discreta, não admitia perguntas sobre os partos e nada cobrava. As pessoas pagavam como podiam e muitos não tinham condições de dar gratificação alguma.

Seu amor e carinho eram tão grandes que, para fazer a canja que dedicava às mamães, criava galinhas no quintal de sua casa. Ela mesma separava as aves e tratava só com milho.

Se a mamãe não tivesse parente para ajudar na primeira semana do nascimento, dona Antonia levava as roupas do bebê para sua filha lavar. Na época, as roupas eram lavadas na Água Branca. E ela exigia que fossem lavadas com anil: queria tudo branquinho e devidamente passado com ferro a brasa.

Dona Antonia ia fazer parto em Araraquara e Bocaina. Chegava a ficar até três dias acompanhando a parturiente até o nascimento do bebê. E no dia seguinte, ela própria levava a criança ao posto de saúde para fazer a carteirinha de vacinação e demais atendimentos.

Com seu acolhimento e singular cuidado, ajudou a trazer à luz centenas de boa-esperancenses.

Dona Antonia tinha muito orgulho por não ter perdido nenhuma criança em seus partos.

Falecida no dia 25 de abril de 1988, a parteira que marcou época, fez parte da história de Boa Esperança do Sul. Sua memória está guardada em nossos corações e no melhor de nossas lembranças

FacebookTwitterWhatsAppImprimir

Voltar para a listagem de notícias

12A anos de história

CALENDÁRIO DE EVENTOS

ACOMPANHE-NOS

UNIDADES FISCAIS

Fique por dentro dos índices - ver todas

Nenhuma unidade fiscal cadastrada no momento!

Versão do sistema: 2.0.0 - 05/08/2022

Portal atualizado em: 05/08/2022 14:12:25

Prefeitura Municipal de Boa Esperança do Sul - SP.
Usamos cookies para melhorar a sua navegação. Ao continuar você concorda com nossa Política de Cookies e Políticas de Privacidade.